Por acaso a vida tem que acabar aos 40?

Em seu discurso no prêmio de melhor artista da Billboard, em 2016, ela disse: “Não ouse envelhecer. Envelhecer é um pecado. Você vai ser humilhada”. (Photo by Rob Latour/Shutterstock)

Envelhecer tem assombrado Madonna há décadas. Quando o tema apareceu, logo aos 30 e poucos anos, ela questionou: “Por acaso a vida tem que acabar aos 40?”.

Essa mulher afiada abriu o caminho para as outras. Fez dos 40 os novos 30, dos 50 os novos 40. “O negócio nunca foi seguir regras, mas quebrar!”.

Madonna diz que ninguém comentaria da idade dela se ela fosse homem. “Para mulheres, existe um comportamento esperado, e se você ainda tiver apetite sexual, se divertir e se sentir viva, você vai ser desprezada, discriminada e perseguida”.

Madonna vai seguir cantando, dançando e chocando o mundo. Talvez ajude a fazer com que esse papo de idade fique velho.

Nunca ouse envelhecer. Isso é considerado um pecado”, disse a cantora certa vez em um discurso brilhante.

Por falar nisso…

Envelhecer é bem mais cruel para as mulheres. Parece que o tempo vem correndo atrás de nós com uma foice.

A antropóloga e escritora Mirian Goldenberg afirma: Homens são avaliados pelo poder e pelo dinheiro. Mulheres, pela beleza e comportamento. Quando envelhecem, se sentem invisíveis. Já os homens, se sentem mais poderosos”.

Aos 50 anos, com uma vida diante das câmeras, a jornalista Mariana Godoy admite ser exceção e que a TV é, de fato, mais cruel com as mulheres.

A TV brasileira trata muito mal as mulheres que envelhecem na frente das câmeras, vai tirando devagarzinho. A gente teve o Sérgio Chapelin grisalho à frente do Jornal Nacional, o Cid Moreira com cabelo completamente branco. Agora você não viu a Lilian Witte Fibe envelhecer no ar, nem a Ana Paula Padrão no jornalismo. É impressionante”.

Por falar (mais) nisso…

Viver até os 90 ou mais é uma realidade cada vez mais frequente entre os que, além de favorecidos por boa genética, cuidam da saúde.

Uma vida sedentária leva a uma velhice ruim. É que sem movimento, o corpo deteriora-se. Da mesma forma que quem exercita a mente tende a ser um velhinho mais lúcido, quem mexe o corpo tende a ter uma terceira idade com menos dor, mais energia e mais força física.

“Você não acorda um dia e envelheceu. Isso vai acontecendo aos poucos. E, surpresa, você continua sendo a mesma pessoa! Sim, o seu gosto musical permanece o mesmo, assim como seus ídolos, escritores e amigos”. Nina Lemos

As rugas vão aparecer. Mas já amadurecemos o suficiente para saber que o contrário do envelhecimento é a morte, certo?

Dor do envelhecimento

Meus sobrinhos têm a dor de crescimento. Dia sim, dia não, eles reclamam de alguma dor no corpo: nas pernas, nos joelhos, nas costas.

Eu, aos 36, comecei a desenvolver a dor do envelhecimento: nosso destino e nosso grande inimigo.

As pessoas envelhecem prematuramente e mal. Há pessoas com 45, 50, 55 anos que já estão velhas.

Mudanças no estilo de vida não devem ser feitas somente ao chegar na velhice, elas envolvem cuidados que devem ser iniciados ainda durante a juventude, como alimentação equilibrada, exercícios regulares e visitas ao médico.

Quanto mais cedo os cuidados tiverem início, mais fácil é prevenir o desenvolvimento de condições crônicas de saúde, recomenda Dr. Drauzio Varella.

Atividade física, alimentação saudável, controle do estresse, autoconhecimento, espiritualidade, amor e voluntariado. Para mim, são sete pilares para manter a vida em equilíbrio.

Sempre tenho muitas coisas para fazer no dia e escolho algumas. Na verdade, eu busco problemas do cotidiano, pois eu vejo o mundo de uma forma e começo a questionar. Isso forma uma cadeia de ideias, faz minha cabeça girar. Procuro desenvolver respostas e caminhos desta forma, pois entendo que o remédio da longevidade é o trabalho. Dona Lila, 93 anos.

Dizem que o idoso é sempre o outro.

Na verdade, todo mundo é velho. As crianças e os jovens são os velhos de amanhã.

O que você está fazendo para combater a velhofobia?

Quem decide quem tem idade para o que?

Pessoas de mais e 60 anos continuam sendo… pessoas! E, como indivíduos, têm gostos diferentes, como acontece com qualquer idade. É simples assim.

Talvez envelhecer seja justamente aprender a se tornar o seu próprio cão e levar as suas lembranças para passear todos os dias. Depois, voltar para a casa e esperar o tempo bater à porta latindo novas histórias.