Palavras que fazem PLIN!

(Eu faço listas. Muitas. Numa delas elenquei palavras que fazem PLIN quando alguém as emite. Resolvi unir essas palavras que fazem PLIN numa narrativa ficcional. Eis o resultado da minha colcha de retalhos. Ops! Colcha de palavras que fazem PLIN!)

(Foto: Cody Metcalf / Unsplash)

Quando criança, derrubei a marinex da minha mãe Georgina ao meter o bedelho nas suas mariolas requentadas.

Aconteceu tudo de forma espalhafatosa, de supetão. Deu chabu, claro. Esse episódio causou um quiproquó e rendeu uma cicatriz no meu cocuruto.

Pela primeira vez na vida, emudeci.

Não sei se a minha mãe ficou fula da vida por conta da travessa de vidro espatifada, que era da tia Cidinha, ou do doce de banana/caju que elvis.

Só sei que eu, sua pupila, a decepcionei mais de uma vez. Eu era a centelha da família, aquela que todo mundo esperava ver brilhar.

Dei um pinote alucinado e torrei os pacovás de todo mundo ao longo da minha infância! Eu achava graça no meu jeito traquinas de ser, zanzando para cima e para baixo pelas ruas.

Bendita hora que fui despejar essa bigorna! Que frisson causou tudo isso!

A gentarada toda quis ver a desova do vasilhame. Quanta balbúrdia fui capaz de causar por causa de um pirex mambembe e démodé! A borda estava toda carcumida!

A molecada escafedeu-se quando comecei a chorar como madalena arrependida. Eu estava com um aspecto deplorável.

“Chega de firula“, mainha gritou.”Vou te dar um safanão!”, continuou muito pê da vida. Ainda meio abobalhada, parei para esfriar a moleira.

Ela havia pedido para usar seus utensílios de cozinha com parcimônia, pois, segundo tia Filó, que agita as pestanas e solta perdigotos quando fala, “foram uma barganha“.

Demasiadamente, sinto-me uma palerma por ser tão estabanada. Possuo um tipo de cacoete que não me deixa equilibrar as coisas direito. Além disso, sou péssima na cozinha: meus bolos sempre batumam (eu devo untar a forma?) e não sei sovar pão direito. Mas depois de pronto, gosto de potchar o miolo no ovo, ou comê-lo com jerimum. Dá até pra fazer croquete!

Esses pratos teriam sido bem mais palatáveis. Saudades de uma feijuca.

Deve ser por isso que não namoro gentleman de sorriso jocoso e Gomalina nos cabelos, nem desfruto dos seus benesses. Só saio com mocorongos e acredito em seus discursos nada fidedignos, sendo que a maioria deles tem nome pitoresco.

O último foi o Didi Mocó Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo. Até hoje me recordo do seu olhar brejeiro e de suas piscadelas, quando passeávamos no campo de papoulas.

Teve o Percival também, ele era bem turrão e misturava leite com Gardenal. Um tchongo que se bandeou para o lado, em busca de ninfetas e sirigaitas.

Outro canastrão foi o Donizete, com seus olhos azuis e fartas sobrancelhas grisalhas que lhe dão um ar duendil. Pena que era bebum e só pensava em rastelar o jardim.

Ele era canhota e todo desleixado em relação à vestimenta. Um verdadeiro energúmeno! Quantas vez tive que dizer: “Essa blusa não orna!”. “Gosto de me vestir de matuto“, respondia.

Eu quero mesmo um homem que usa pulôveres de cashmere.

Com maestria, envolvo-me em casos extraconjugais e entro de gaiata neles. Aguardo o lusco-fusco do céu para mandar umas talagadas pra dentro, cujo acúmulo acabava em madrugadas escangalhadas.

Aos poucos, me dei conta de que aquela ogra que eu me tornava na calada da noite me levava cada vez mais longe da minha natureza. Eu voltava para casa totalmente desanimada, murcha.

Minha família nunca entendeu patavina sobre meu problema, mesmo sendo um esteio para todas as horas.

Eu até encomendei alguns fascículos com dicas de relacionamento e mordiscadinhas, mas só recebi filipetas com descontos para cursos de papietagem. Eu que não tenho tutu para isso!

Jamais me passaria pela cachola, mas também tentei uma pajelança indígena. Só que fitoterápico não é panaceia.

Essa história toda me dá uma ziquizira. Chego até ter tremeliques e piriri só de relembrar as caras dos empiastros.

Resolvo dar um peteleco em mim mesma para evitar os espasmos. O meu humor ficou azedume diante dessa prosa bizarra.

Quanta falácia! O importante é que comecei a farejar embuste de longe, assim como o chorume, para evitar os faniquitos e dar um arremate de vez na minha vida, antes de cair numa nova arapuca!

Se encontrar os estrupícios novamente, sou capaz de cortar seus pingulins e jogá-los no estrume!

“Dou-lhe uma”!

Periga eu morrer de velha sem conhecer anjos alados cheios de candura.

Vamos falar sobre a pandemia?

Mudando de tom para um bem menos pernóstico.

Por que as pessoas não ficam em casa, fazendo coalhada e assistindo ao quadro da Ananda Apple, ao invés de irem a rua em busca de falcatruas? Eu, que sou uma pessoa cosmopolita, estou bem ferrada sem ganhar um tostão. Uma comunista consumista.

Mesmo cafusa, não deixo de ver o desabrochar das flores. Parece até sandice da minha parte.

Como agir diante dessa podridão? Vejo tantas imundices por aí.

Tem gente que tenta mocozar. Eu mesma dei as minhas escapadelas e agi como uma lambisgoia!

Estava lumbriguenta para sair de casa. Sou muito rabuda. Depois me arrependia, claro.

Por motivos esconsos, deixo a verdade de lado. Pareço o roto falando do rasgado.

Com a parca oferta de dramaturgia ou realities inéditos, uma boa fofoca vai muito bem.

Antes que a embromação vá adiante, uma pitada de empatia e outra de senso crítico também ajudam bastante. Não estou fazendo troça da situação.

Em nome de certo decoro, chega de ficar dando pitaco.

Gratidão pela leitura depois de toda essa papagaiada. Gosto de escrever melífluas.

Sem pestanejar, vejo pipocar comentários estapafúrdios e petulantes abaixo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s