A louca de Ilhabela

Photo by Raphaël Biscaldi on Unsplash

Estava numa pousada em Ilhabela na qual havia uma piscina enorme e quente. Muito quente. Eu me sentia dentro de um caldeirão de sopa. Do outro lado da piscina, havia uma mulher se refrescando com uma mangueira. Ela me viu e gritou: “Vem aqui, amiga”! Eu fui.

Ali começamos a conversar sobre tudo: de praias da região, de trabalho, de séries da Netflix, de modelos de biquíni, de Brasil. Ali ela me ofereceu champanhe. Ali tiramos selfies. Ali ela me apresentou o seu marido e o seu cachorro. Ali ela me emprestou o seu protetor e o seu chapéu; eu a retribui emprestando o meu repelente e a minha canga. Ali eu comentei que iria jantar e ela propôs: “Vamos todos!”. Ali trocamos WhatsApp. Ali nos despedimos e nunca mais nos vimos.

Só que não.

No dia seguinte, no café da manhã, eu a vi com o seu marido e o seu cachorro. Quando fui cumprimentá-la, tomei um gelo. Ela não falou nadinha e me olhou como se nunca tivesse me visto. O marido também me ignorou. Pensei em pedir o repelente que havia deixado com ela, mas fiquei com receio de tomar mais um gelo. Deixei pra lá: o repelente e a amizade de uma tarde na piscina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s