Shiu!

A atenção é o primeiro degrau da comunicação. Sim, conversar exige esforço para prestar atenção na outra pessoa.

Deixar de lado sua opinião pessoal e ouvir o outro com a intenção de entender e não de responder também exige esforço.

Todo mundo é especialista em alguma coisa, por isso, é legal entrar em um diálogo partindo do pressuposto que o outro tem algo a ensinar para você. 

O melhor a fazer é ouvir o que o outro tem a dizer. Se comunicar melhor envolve escutar 🙂

Photo by Joshua Ness on Unsplash

Em tantas discussões, as pessoas falam e não sabem escutar e se entender.

O historiador Leandro Karnal diz que nós aprendemos a dizer o que pensamos, mas não aprendemos a ouvir.

Acho que, às vezes, não sou uma boa ouvinte.

Quando estou conversando com alguma pessoa, tenho o péssimo hábito de interrompê-la. Mal dou a chance de ela completar a frase, e já mando logo a minha opinião, os meus argumentos, a minha voz.

Péssimo hábito!

Estou aprendendo a ser uma ouvinte melhor, a ter uma escuta ativa.

Primeiramente, escutar sem interromper e, se achar que devo, falar o essencial, sem julgar, sem criticar, sem desestimular. Se vou abrir a boca, que seja para somar, argumentar, questionar, incentivar, refletir, elogiar, enaltecer, engrandecer, enriquecer.

Ninguém gosta de ser interrompido! Só de ser uma boa ouvinte você já sairá ganhando. Se for uma boa ouvinte e ainda se mostrar interessada em saber mais sobre o outro, bingo.

“Quando as pessoas falam, ouça completamente. A maioria das pessoas nunca escuta” – Ernest Hemingway.

Elogios sinceros

Elogios sinceros são um afago para a alma de qualquer ser humano. Até as pessoas que não lidam bem com elogios em público lá no fundo ficam agradecidas.

Quando elogiar, seja específica e honesta, e a pessoa vai captar.

Se não encontrar nada bom para dizer, não diga. Para que ser desagradável?

E, nada soa mais doce para alguém que ouvir o próprio nome. Pode ver: quando uma pessoa que você não espera que saiba quem você é se lembra de você e do seu nome, não é um pequeno deleite?

Para ser capaz de elogiar uma outra pessoa com naturalidade, é preciso estar de bem consigo.

Silêncio

“O silêncio, muitas vezes, tem mais a ver com o ato de não reagirmos com imediatismo do que simplesmente nos calarmos”, escreveu Bruna Próspero em “Encontre Seu Silêncio”.

“Quando falares, cuida para que tuas palavras sejam melhores que o silêncio”.

Nunca falei tanto sobre negros – Parte 3

Photo by Sandeep Swarnkar on Unsplash

Notícia 1: “Jovem negro sai para praticar fotografia e é perseguido como suspeito por moradores”

Somos racistas e vivemos em um país racista, e alguns negam.

Notícia 2: “Mulheres negras sofrem mais com desemprego”

De acordo com levantamento feito pelo economista Cosmo Donato, com base na média dos últimos quatro trimestres da PNAD contínua do IBGE, a taxa de desemprego entre as mulheres negras é de 16,6% – o dobro da verificada entre homens brancos, de 8,3%.

O número também é maior do que entre as mulheres brancas (11%) e os homens negros (12,1%).

Além disso, mulheres negras têm um rendimento médio real de R$ 1.476, menos da metade da renda do homem branco – de R$ 3.364. Elas também recebem menos que os homens negros – que ganham R$ 1.849 – e as brancas, que recebem R$ 2.529.

Notícia 3: “Prática discriminatória adentra as grandes corporações”

Exemplo disso foi demonstrado num teste de imagem realizado com profissionais de recursos humanos feito no estado do Paraná.

Na fase um de análise foram apresentadas aos recrutadores seis fotos sem identificações de nome, idade ou origem, apenas tendo em comum a pele branca: 1 – um jovem correndo; 2 – uma moça segurando um casaco; 3 – um homem de terno; 4 – um rapaz cuidando do jardim; 5 – uma mulher limpando a pia; e 6 – uma garota segurando na mão uma tinta spray. Na segunda fase foi apresentado o mesmo conceito de fotos, mas com pessoas negras.

O procedimento e a pergunta realizada nas duas etapas foram de igual forma. As imagens eram mostradas individualmente e, em seguida, o entrevistador perguntava aos recrutadores o que viam na foto. Ao jovem branco correndo foi dito que ele estava atrasado, enquanto ao negro que ele era bandido. A moça segurando um casaco foi vista como designer de moda; já a negra, costureira. O homem branco de terno parecia um executivo; o negro foi apontado como segurança. Sobre o rapaz caucasiano cuidando do jardim, disseram ser o proprietário da casa; o negro, jardineiro. A mulher branca limpando a pia era proprietária, enquanto a negra, empregada. Por fim, a garota branca era apenas uma grafiteira; já a negra foi considerada uma pichadora.

É claro que o audiovisual e a publicidade contribuem violentamente para esse cenário, o que acaba por causar espanto quando alguém de depara com uma pessoa negra na condição de médico, engenheiro, juiz ou arquiteto. Não há dúvida de que essa normatividade é perversa, principalmente porque ao se debruçar sobre a temática é possível observar que não se trata de algo inofensivo, moderado e despretensioso, ao contrário. A ausência de um olhar crítico e antirracista sobre o tema tem efeito real na vida da população negra, já que em menor ou maior grau desaprova profissionais em entrevistas de emprego, fomenta as batidas policiais e cria obstáculos para a ascensão social dessa população.

Meu convite, diz Monique Rodrigues do Padro, advogada, integrante do corpo de advogados voluntários da Educafro, cofundadora do Afronta Coletivo, é para que você não naturalize o olhar. Seja crítico, observe, questione e acima de tudo participe desse processo de desmistificação do status quo.

Frases que eu gosto de ler

Photo by Siora Photography on Unsplash
  • Você é aquilo que você pensa o dia todo.
  • A crítica que funciona é a que incomoda.
  • Aqueles que não conseguem vencer na vida vingam-se falando mal delas.
  • A vida é tão frágil e efêmera.
  • O passado é uma roupa que não nos serve mais.
  • Notícia é quase sempre aquilo que alguém não gostaria de ver publicado.
  • A perfeição não existe, somente para “menininha tocadora de piano”.
  • A verdade tem três lados. O que um acha que aconteceu, o que o outro acha que aconteceu e o que aconteceu.
  • Ser outra pessoa depende mais de nós mesmos do que do ambiente em que estamos inseridos.
  • Faça a sua parte e você verá que a sorte sorrirá também, mas não confie nela.
  • Problemas nunca vão parar de acontecer.
  • Frustração faz parte da vida.
  • Deus ouve o nosso clamor.
  • Palavra de Deus: “Se eu tiver de andar por vale escuro não temereis mal nenhum, pois comigo estás”.
  • Ou você vai ou a vida te atropela.
  • Estar aberto para mudar é se colocar como agente da sua vida. Alguém que escolhe os caminhos e não sente que está sendo levado.
  • Segure isso pelo chifre.
  • Mostre para o cavalo quem é o cavaleiro aqui.
  • Mantenha só na sua mão a chave da sua felicidade.
  • Segure as rédeas da sua vida ou ela vai para onde quiser.
  • O que quer que seja, uma hora vai parar de doer.
  • Cuide de si mesmo como o bem mais precioso que você possui.
  • A vida é imprevisível e isso é muito bom.
  • “Quem tem um Porquê, sempre encontra um Como”.
  • O tempo e o silêncio são remédios que curam qualquer mal. Edgard Abbehusen
  • O que fomos ontem faz parte da construção de tudo o que somos hoje.
  • Ao praticar você já está conseguindo.
  • Faça do amanhã um dia melhor que hoje.
  • Novos tempos nos empurram a pensar fora da caixa.
  • Segura o choro e segue.
  • A diferença entre o que você é e o que você gostaria de ser é o que você faz (‘Namaria Braga).
  • Somos todos tão perecíveis quanto um pastel de palmito (Barbara Gancia).
  • Deus nunca dá um fardo maior do que se possa carregar.
  • Ria de você mesmo antes que alguém ria.
  • Para ser lembrado, é preciso estar presente.
  • “Não dê ouvidos às críticas vindas de pessoas para as quais você nunca pediria um conselho”.
  • Finja até se tornar, daí com o tempo você se torna mesmo.
  • Na vida, podemos ser mais que passageiros.
  • Se você pudesse comer suas próprias palavras, a sua alma seria nutrida ou seria envenenada?
  • “A paciência extrema resulta em preguiça. A impaciência extrema leva a loucura. Tem que dançar no meio termo. Ser impacientemente paciente” (Osho).
  • Não ter dúvidas é ato de soberba.

Preciso falar sobre feminismo

Photo by chloe s. on Unsplash

Ser feminista é necessário. Segundo a escritora Ruth Manus:

A mulher que diz que nunca foi discriminada é apenas uma mulher muito distraída. Não precisamos ir até o Oriente Médio. Não precisamos visitar tribos africanas. Não precisamos ir ao sertão do Nordeste. Não precisamos ir até a periferia de São Paulo. Não precisamos sair dos nossos bairros. O machismo que limita, que agride, que marginaliza, que ofende, que diminui, mora ao lado, dorme por perto.

O feminismo não é de esquerda nem de direita.

Não é só para mulheres nem é só para homens.

Não é ameaça. Não é um estranho.

Mas entenda que quando você trata os feministas na terceira pessoa do plural, excluindo-se deste rol, você está afirmando não fazer parte do grupo que prega a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Pense bem de que lado você quer estar.

Ser feminista é bonito, é importante, é sinal de inteligência e da decência de qualquer ser humano.

Como diz o livrinho da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie: “Sejamos todos feministas. E o mundo será melhor a cada dia”.

Sucesso para você!

Photo by Diego PH on Unsplash

Não existe sucesso do dia para a noite. Qualquer evolução profissional ou pessoal acontece em pequenos e constantes progressos, disse o escritor e empreendedor Kaio Serrate:

“Faça uma análise das suas maiores realizações (…) Me arrisco a dizer que elas terão sido resultado (…) de uma ou duas décadas de repetição e aprimoramento”.

Passamos a aceitar desde pequenos que nossa principal meta de vida é alcançar o sucesso.

Sucesso é uma coisa e realização é outra, completamente diferente.

Sucesso é o que os outros pensam sobre uma pessoa e seus caminhos, enquanto a realização é o que a pessoa pensa sobre as escolhas que fez na própria vida.

Realização pessoal, realização profissional: alcançar a realização é encontrar a plenitude em determinadas esferas da vida, ter sucesso é simplesmente passar uma imagem de que tudo deu certo.

O sentimento de realização caminha realmente muito próximo da sensação de missão cumprida. Mas, para tanto, é preciso que haja uma missão. Metas não são missões. Sonhar com um cargo não é ter uma missão. Traçar uma carreira com GPS e executar o caminho no menor tempo possível pode até garantir sucesso, mas nunca garante que você se sente naquela cadeira sonhada e sinta-se minimamente realizada.

Então às vezes nós temos que parar e nos perguntar: para quem estamos construindo as nossas vidas? Para quais olhares estamos direcionando nossas imagens? Para os nossos ou para os dos outros? Será que não estamos dedicando tempo demais às aparências e será que um dia isso não vai nos custar muito caro? Porque, no fim das contas, os cargos se vão, o prestígio se vai e só o que resta é a opinião que nós mesmos temos sobre a estrada percorrida.

Em alguns momentos da vida, sucesso é apenas desistir, desapegar e seguir em frente. Desistir, não porque faltou coragem, e sim porque ela estava lá.

Uma carreira de sucesso não é necessariamente sinônimo de dinheiro, status e poder. De acordo com Sofia Esteves, presidente do conselho do Grupo Cia de Talentos, um profissional realizado é aquele que deixa contribuições valiosas para as pessoas ao seu redor, isto é, um legado:

“O legado é como você é e será lembrado. As memórias, inclusive afetivas, que você deixará. (…) Como a sua carreira impacta positivamente a sociedade?” .

Suficientemente bom

Altas ambições são nobres e importantes, mas também pode chegar uma hora em que elas se tornam a fonte de pânico desnecessário e problemas terríveis. Se tem um momento na vida em que temos a oportunidade de deixar essa busca pelos mais altos padrões de lado, é agora. Não precisamos fingir ser quem não somos e podemos nos mostrar vulneráveis, longe do ideal perfeccionista.

Nos anos 1950, um psicanalista britânico chamado Donald Winnicott, especializado em relações entre pais e filhos, elaborou uma forma de minar nossos ideais mais imprudentes e nosso perfeccionismo. Em sua percepção, o desespero dos pais era consequência de um perfeccionismo cruel e contraproducente. Assim, para ajudá-los a diminuir isso, Winnicott desenvolveu um termo encantador: o que chamou de “pai suficientemente bom”.

O conceito de “suficientemente bom” começou com relação à paternidade, mas o termo pode ser aplicado à vida em geral, especialmente em torno de trabalho e amor.

Uma relação pode ser “suficientemente boa” mesmo quando tem seus momentos ruins, incluindo épocas de pouco sexo e muitas brigas.  Da mesma forma, um trabalho “suficientemente bom” será tedioso algumas vezes, não usará todos os nossos méritos, mas podemos fazer amigos verdadeiros, ter momentos de empolgação e terminar uns dias cansados, mas sentindo uma profunda realização.

É preciso ter muita coragem e habilidade para manter uma vida muito comum. Perseverar  em meio aos desafios de amor, trabalho e filhos é um ato heroico. Talvez devêssemos, com mais frequência, fazer uma pausa para reconhecer, de uma maneira muito real, que nossas vidas são suficientemente boas e que isso, por si só, já é uma conquista muito grandiosa.

Celebrar pequenas conquistas ajuda a manter a motivação em alta.

Minha vó perguntou se eu estava bem

Photo by Leon Biss on Unsplash

Eu estou bem, vó! Faço parte dos privilegiados no Brasil. Tenho saúde, família, namorado, almoço e janta. Tenho cama quentinha, 350 canais a cabo, jornais, internet. Tenho maçã, pera e banana na geladeira. Tenho visão, pernas e braços. Tenho pais, irmãs, tios, primos e você, vó. Tenho cachorra, cadeiras, carro e roupas. Tenho legumes. Tenho tudo isso à vontade e, se por ventura faltar, peço mais.

Mas tenho algo internamente, que cresce e me assombra a cada dia. Não sei o nome que dou para isso. Seria insatisfação, incômodo, agonia, insegurança, ingratidão, desânimo, depressão, insegurança, angústia, azia, carência, inquietude, falta de Deus ou de amor próprio.

O que havia na casa da minha avó

Photo by Skiathos Greece on Unsplash

Na casa da minha avó havia horta. Havia codornas e ovinhos de codorna. Havia rosas e roseiras. Havia jabuticabas e pé de jabuticaba. Havia marimbondos e ninho de marimbondo. Havia piso de caquinho vermelho. Havia balas, às vezes com formiga. Havia filtro de barro. Havia frango assado. Havia nhoque e macarrão. Havia fogão e geladeiras azuis. Havia cortina com estampa de coqueiro. Havia colcha de chenille. Havia boneca Susi da Estrela e miniaturas da garrafa de Coca-Cola . Havia penteadeira e cristaleira. Havia os jogos Ludo e pega-vareta. Havia mantas “Parahyba”. Havia pernilongos. Havia rancho. Havia balancinha de madeira.

A casa da minha avó tinha a sala impecável, arrumada, perfumada e sem pó, mesmo que a faxineira só a visitasse duas vezes por mês.

As flores nunca ficavam com sede, os vidros nunca ficavam embaçados, os quadros nunca ficavam tortos.

Aos domingos, a família inteira era presente. Na mesa de madeira eu me sentava e esperava. Não podia fazer nada que não fosse esperar. E então começava: experimenta um pedacinho desse bolo. E esse pão fresco. Com geleia. Tem de uva e de morango. Coloca requeijão também. Um suco de caju. Um Nescau quente. Manteiga Aviação. Queijo e presunto. Não importava qual hora fosse: 9h15, 14h30 ou 19h em ponto. Não importava.

O que havia na casa da minha outra avó

Havia Chaves e Aqui Agora sintonizados na TV. Havia poltronas de couro que usávamos para escorregar. Havia banheiro rosa. Havia refrigerantes Ferráspari. Havia lata de bolacha. Havia “galinho do tempo”.

Havia a vó ‘Bastiana e o vô ‘Tóni. Havia a tia Dirce. Havia feijoada e bate-papo na garagem.

Tudo bem não estar bem

Photo by freestocks.org on Unsplash

Tudo bem deitar na rede. Tudo bem assistir TV. Tudo bem dormir à tarde. Tudo bem não ler todos os jornais, não limpar a caixa de e-mail, não deletar as fotos da galeria do celular. Tudo bem comer um chocolate, um pedaço de pão. Tudo bem pedir um pastel, de catupiry com milho. Tudo bem terminar o dia sem fazer abdominais. Tudo bem tomar remédio para embalar o sono. Tudo bem sentir ódio, inveja, raiva. Tudo bem fazer uma tempestade num copo d’água. Tudo bem não querer sair de casa por conta de uma espinha. Tudo bem não escovar os dentes à noite, e nem passar o fio dental de manhã. Tudo bem sentir-se solitária, a última das criaturas. Tudo bem ter medo do futuro. Tudo bem chorar pelo passado. Tudo bem estar desempregada. Tudo bem estar de pijama, sem maquiagem.

Ninguém tem a obrigação de ser mega produtiva.

Faça se for prazeroso. Faça se tem sentido para você. Faça se te traz conforto e paz de espírito – Ruth Manus.

A vida nunca é perfeita. E as imperfeições são a graça da vida. Não carregue o fardo da perfeição. Mostrar-se vulnerável é corajoso, é quando me conecto com as pessoas.

É natural sentir angústia diante das adversidades da vida – e a pior maneira de lidar com esse sentimento é negá-lo e sufocá-lo diante da suposta obrigatoriedade de ser feliz o tempo todo.

“Só conseguimos nos reerguer quando aceitamos e experimentamos a fundo nossas frustrações”, enfatiza consultora em carreira Taís Targa.

“Comece com a aceitação. (…) Você é um ser humano e tem permissão para experimentar todos os tipos de sentimento. (…) Só depois que aceitei a minha vulnerabilidade (…) consegui viver uma vida melhor”.

Como diz o psicólogo Rodrigo Luz, da Fundação Elisabeth Kübler-Ross (sobre o luto, mas vou dar uma adaptada): a vida é contração e expansão. Então, tudo bem um dia estarmos melhores e em outros estarmos piores”, continuamos em movimento porque o pulso ainda pulsa. E  sempre pulsará.

A dor de existir

O escritor Ivan Martins fala que o sentimento de abandono e desamparo está conosco desde o instante em que chegamos ao mundo, e deve nos seguir até o fim. De certa forma, ele nos torna humanos.

Leio a autora de Amor de Mãe”, Manuela Dias:

Aprendi, em momentos muito sofridos, a pensar que alguma coisa tenho que aproveitar daquilo. E o que eu pensava era: eu vou aproveitar isso. Não posso só sofrer. Tenho que partir para cima dessa experiência de algum jeito. Aprendi com a minha mãe essa resiliência, a pegar uma coisa ruim e transformar em coisa boa”.

Você é mais forte do que pensa!

Somos muito menos frágeis do que frequentemente acreditamos. Lembre-se sempre de sua capacidade de perseverar.

O sofrimento pode nos ensinar!

A maior parte do que aprendemos veio a nós em períodos de sofrimento.

Seu passado é um registro de provações superadas. Use seu próprio exemplo para ganhar coragem!

São as dificuldades que mostram os homens. Epíteto

A forma como lidamos com tempos difíceis é que determina nosso verdadeiro valor.

Nas grandes tristezas voltamos à nossa essência, reconectamos o fio da nossa força interior, buscamos a própria mãe dentro da gente, a paixão por si mesma, e saltamos do fundo das entranhas como um golfinho salta do mar para o ar.

Das dores, colheita.

Fobia de sofrer

Vivemos numa sociedade que não sabe sofrer, chorar.

Eu desprezei, por muito tempo, o sofrimento. Não queria ficar triste de jeito nenhum. Eu me blindava de várias maneiras para fugir de situações dolorosas.

Quando o meu primeiro namorado terminou comigo, fiz um Tinder no dia seguinte.

No dia seguinte ao Tinder, conheci meu segundo namorado.

Quando o meu segundo namorado terminou comigo, fiz um desabafo no dia seguinte.

No dia seguinte ao desabafo, conheci meu terceiro namorado.

Quando o meu terceiro namorado terminou comigo, comprei uma calça jeans da Carmim no MESMO DIA.

Pra quê sofrer assim?

Expectativa é a raiz de todo sofrimento – William Shakespeare

Sim, eu odeio injeções.

Segura que hoje tem seringa. Fecha o olho e vamos!”.

Sim, eu tenho crises de choro.

Deita e chora. Sustenta essa tristeza!”.

Chorar não é expor fraquezas. É se expor. E fazer isso é para aqueles que têm coragem de mostrar a própria alma e deixar ser visto num mundo em que a maioria cisma em se esconder. Ana Holanda

Sim, eu sofro de insônia.

Não tem problema se o sono não veio. Nesse momento nasce um poema”.

Dor e sofrimento não necessitam de uma solução rápida. Necessitam de vivência, experiência.

Viva essa dor até acabar!”.

E quando vai ser?

Não sei”.

  • A lágrima vai dar o fruto.
  • Curar é “dar tempo”.
  • Cuidado não é algo rápido.
  • Tristeza não dura pra sempre, viu?

Dê tempo para a dor. Aprenda a ficar triste. Assuma essa tristeza.

Chega de dopar seus sentimentos.

Um triste consciente tem grande chance de se tornar um feliz consciente.

Viver a dor, dói (…) O trabalho que a gente faz para não viver a dor, dói também (…) Quanto mais a gente recalca, se aliena, no processo de sabotagem da consciência, mais a gente está fazendo doer e se machucando de um jeito que o retorno é sem sentido. Ele aumenta a angústia”. Maria Homem.

Somos menos frágeis do que pensamos diante das adversidades. Temos um poder interior arrebatador que nos arranca, com raiz e tudo, da sofrência e da estagnação.

Meu modo zoloft de ser:

Socorro – Arnaldo Antunes

Socorro, não estou sentindo nada.
Nem medo, nem calor, nem fogo,
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir. Socorro, alguma alma, mesmo que penada,
Me empreste suas penas.
Já não sinto amor nem dor,
Já não sinto nada. Socorro, alguém me dê um coração,
Que esse já não bate nem apanha.
Por favor, uma emoção pequena,
Qualquer coisa. Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos, deve ter algum que sirva.
Qualquer coisa que se sinta,
Tem tantos sentimentos, deve ter algum que sirva. Socorro, alguma rua que me dê sentido,
em qualquer cruzamento,
acostamento,
encruzilhada,
Socorro, eu já não sinto nada. Socorro, não estou sentindo nada.

Sei Lá… A Vida Tem Sempre Razão – Toquinho 

Tem dias que eu fico pensando na vida
E sinceramente não vejo saída.
Como é, por exemplo, que dá pra entender:
A gente mal nasce, começa a morrer. Depois da chegada vem sempre a partida,
Porque não há nada sem separação.
Sei lá, sei lá, a vida é uma grande ilusão.
Sei lá, sei lá, só sei que ela está com a razão. A gente nem sabe que males se apronta.
Fazendo de conta, fingindo esquecer
Que nada renasce antes que se acabe,
E o sol que desponta tem que anoitecer. De nada adianta ficar-se de fora.
A hora do sim é o descuido do não.
Sei lá, sei lá, só sei que é preciso paixão.
Sei lá, sei lá, a vida tem sempre razão.

Eu me esforço para viver cada dia como se fosse uma vida completa. Sêneca

Em momentos de crise, nosso futuro é obscuro. Não podemos mais viver na expectativa sobre coisas melhores que virão. A chave para a realização está em aceitar a incerteza: lidar com um dia por vez e aprender a valorizar cada momento de prazer que ele contém.

Essa dor não é sua

É minha. Sou eu que devo vivê-la
Você a provocou, eu sei
Mas quem precisa senti-la sou eu
A protagonista dessa história sou eu, ok?

Pois como diria aquela música do Lulu Santos:

Não existiria som

Se não houvesse o silêncio

Não haveria luz

Se não fosse a escuridão

A vida é mesmo assim

Dia e noite, não e sim…

“O sofrimento é o intervalo entre duas felicidades” – Vinícius de Moraes.

Say to yourself “But whatever happens, I have the inner resources to deal with any situation that comes my way. I’m going to be OK”.
⁣⠀
Be kind to yourself my friend.

Turia

“Tristeza é amiga da onça, ensina a enfrentar leões”.

Ao acordar nesta manhã

Photo by David Mao on Unsplash

Ao acordar nesta manhã, eu sorrio.

24h completamente novas estão diante de mim.

Eu me comprometo a viver cada momento plenamente e a olhar para todos os seres com olhos compassivos.

Nós temos 24h completamente novas à nossa frente.

A vida bate à nossa porta. Este é um presente imenso e muito precioso. Um novo dia.

Não vou desperdiçar esse dia. Não vou estragá-lo. Eu saberei fazer bom uso dele.

Sentado pacificamente, sorrio.

O novo dia começa.

Eu me comprometo a viver com plena consciência.

Vestindo o robe de monge, o meu coração está em paz.

Eu levo uma vida de liberdade, trazendo alegria para o mundo.

Paz, amor, gratidão, comprometimento, atenção, liberdade.

“Nada, mas nada mesmo é em vão. Por maior que seja o número de sacrifícios em sua vida, vale a pena tentar novamente até conseguir a vitória de forma correta. Isso é viver respeitosamente.

Nós somos reconhecidos pelos que fazemos durante a nossa trajetória, céu e inferno são aqui mesmo, aqui pagamos nossos débitos, mentiras e trapaças. É preciso sempre ser correto e verdadeiro”.

Não vale a pena carregar os sofrimentos do dia anterior para o seguinte. Para tratar o dia de amanhã com todo carinho, devemos encerrar o dia de hoje com paz mental, para começarmos na manhã seguinte com a mente livre e renovada.

Minha vida simples

Photo by Bench Accounting on Unsplash

Grandes expectativas só servem para nos frustar.

It’s Okay to want to Live a Slow & Quiet Life.

Para a jornalista e apresentadora Aline Midlej, “ter uma vida simples é ter propósito, morar em uma casa que reflete você, suas escolhas e valores, longe dos falsos status e rotulagens. É viver perto de quem te ama pelo que você é, de quem faz questão de estar perto de você também. E vale lembrar: isso tudo pode exigir algum esforço. É buscar um ofício que te realiza, que te faz sorrir, acordar com vontade. Um trabalho que te faz crescer de dentro para fora. É entender que o conforto está no que acolhe, encaixa. Vida simples é buscar fazer de você uma boa companhia para si mesmo, o que demanda uma conversa intensa e diária”.

Minha vida simples se resume em:

sem cobranças, expectativas, estereótipos, padrões de beleza, maquiagem, exigências, roupas novas, horários, regras, despertador, disputas, fofocas, comparações.

Sem dinheiro. Sem vaidade. Com amor e sexo de sobra, investindo em saúde e qualidade de vida.

Eu tive um professor de teatro que falava: “Não confunda o simples com o fácil. Você precisa ir ao céu e ao inferno para conseguir chegar no simples. A simplicidade é uma coisa muito rara. E, quando ela acontece, quando você identifica ela seja numa pessoa, seja numa situação, é sublime. O fácil é fake, ele é descartável”.

Altas ambições são nobres e importantes, mas também pode chegar uma hora em que elas se tornam a fonte de pânico desnecessário e problemas terríveis. 

Estou tentando me desconectar um pouco, valorizar os pequenos momentos do dia a dia para ficar comigo mesma, e com isso ter mais qualidade de vida.

Meu objetivo é ser adepta do slow living, um movimento global que propõe uma rotina mais desacelerada, nos permitindo uma olhar atento e sensível ao impacto que causamos com as nossas escolhas diárias.

O bacana é se empolgar com a vida pequena, não precisar devorar o mundo para ser feliz.

Despacio, NO te desesperes todo a tu tiempo…