Solidão – Por Paulo César Pinheiro

Photo by Maria Teneva on Unsplash

Porque eu amo a solitude, mas (ainda) odeio a solidão. Onde há medo e solidão há também estrelas e descobertas.

Eu sozinho sou mais forte
Minh’alma mais atrevida
Não fujo nunca da vida
Nem tenho medo da morte

Eu sozinho de verdade
Encontro em mim minha essência
Não faço caso de ausência
E nem me incomoda a saudade

Eu sozinho em estado bruto
Sou força que principia
Sou gerador de energia
De mim mesmo absoluto

Eu sozinho sou imenso
Não meço nunca o meu passo
Não penso nunca o que faço
E faço tudo o que penso

Eu sozinho sou a Esfinge
Pousado no meio do deserto
Que finge que sabe o que é certo
E sabe que é certo que finge

Eu sozinho sou sereno
E diante da imensidão
De toda essa solidão
O mundo fica pequeno

Eu sozinho em meu caminho
Sou eu, sou todos, sou tudo
E isso sem ter contudo
Jamais ficado sozinho

O amor por si mesmo é o que nos salva da solidão!

A solitude é isso: estar conectado e em paz consigo. Aprender a desfrutar de um tempo só para si e estar disposto a realizar tarefas sem a companhia de alguém – como um café e até uma viagem -nos proporciona um mergulho em nós mesmos. Ao perder o medo de ficar só, nos abrimos para viver nossas emoções e conquistamos melhores relações.

Não somos estimulados a ficar sozinhos e olhar para dentro, pelo contrário, a sociedade de consumo na qual vivemos nos convida o tempo todo a olhar para fora, como se a vida fosse uma eterna festa da qual Zygmunt Bauman, sociólogo polonês. Esse sentimento de exclusão, característico do mundo contemporâneo hiperconectado, foi denominado pelos americanos de fomo (fear of missing out). É o “medo de ficar de fora” ou de “estar perdendo algo”.

Nas palavras de Fernando Pessoa: “Enquanto não atravessamos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades. Pra viver a dois, antes é necessário ser um”.

Esse é o preço a pagar por sermos mais corajosos, não termos medo de enfrentar o terrível ócio, de passar tempo sozinhos, conosco próprios. Nós sabemos que a companhia mais terrível é a nossa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s